Zona Franca confirma Veja Luz (Taboão da Serra/SP) + Entrevista

Zona Franca confirma Veja Luz (Taboão da Serra/SP) + Entrevista

nov 21

Guerrilha Gig: Como surgiu a Veja Luz?
Veja Luz: Os integrantes da banda já tocavam juntos em outros projetos, e por afinidades musicais resolveram seguir esse caminho do reggae não convencional.

Guerrilha Gig: Como é ser uma banda de reggae autoral e independente hoje no Brasil? 
Veja Luz: É um desafio ´´tentador“ até mesmo por que todos os integrantes respiram outras linguagens musicais e isso acaba surtindo efeito no produto final que é a nossa sonoridade, o que faz da Veja Luz uma banda de música, que toca reggae… e o mercado independente está aí pra ser explorado por todos os que acreditam nessa postura de artista cidadão.

GG: Como foi a produção do disco homônimo ?
VL:O disco foi produzido de forma colaborativa, onde vários parceiros de estrada se colocaram à disposição pra ajudar no que fosse possível.Gravamos em 3 etapas e estudios diferentes, tivemos a honrosa co-produção de Gerson da Conceição do Maranhão e uma faixa Dub produzida pelo ícone Buguinha de Olinda-PE, participações especialíssimas de Dada Yute, Funk Buia (Z’África Brasil) e Leandro Kintê.O processo de mixagem e masterização contou com apoio do fundo popular de cultura da Agência Popular Solano Trindade e a distribuição imediata para mais de 80 cidades no país através da distro Fora do Eixo.

  

GG: Qual foi a sensação no lançamento do disco com Studio SP lotado em São Paulo?
VL: Sensação de dever cumprido para com nós mesmos e com a nossa comunidade, ver aquela multidão de gente atravessar a cidade numa terça feira e superlotar a casa à ponto de barrarem a entrada de mais pessoas pq não cabia mais foi um fato histórico para a banda e para o projeto Cedo e Sentado da FDE que acontecia todas as terças no Studio SP, transformando aquela noite na mais bombada da história do projeto na casa. Acredito que foi o resultado natural de um trabalho que é vivenciado diariamente e sempre com a preocupação de fortalecer a base, que são as pessoas à nossa volta, apostar nas capacidades e poder de troca do ser humano.

GG: Como é a cena autoral em Taboão da Serra?
VJ: Taboão da Serra ainda caminha vagarosamente com a cultura e consequentemente os artistas locais acabam sendo forçados a sair pra noite na Vila Madalena, Bexiga etc… e ganharem a vida fazendo cover’s, pois não há um investimento mínimo que seja para revelar novos talentos autorais na cidade, um governo do PSDB que já se instalou na cidade à muito tempo e implantou em Taboão os mesmos moldes que o governo Kassab implantou em São Paulo, que cultura não é pra todos, só pra quem pode pagar por ela.Mas mesmo assim, existem muitos talentos incríveis na cidade que sem nenhum tipo de rancor ainda levam o nome de Taboão da Serra pra fora, nós mesmos somos os maiores exemplos disso!

 GG: Qual a expectativa para apresentação no Zona Franca – Primeiro Festival de Música Independente de Franca/SP 
VJ: Nossas expectativas são sempre as melhores, desbravar os caminhos a abrir território, isso move o artista de fato. Temos certeza que a cidade de Franca terá um belo festival com uma bela grade de apresentações e o resultado será um sucesso!! Estamos preparados e ansiosos para tocar pela 1ª vez na cidade, isso é um combustível e tanto!rs 

 

 

 


Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/guerrilhagig/blog.guerrilhagig.com/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273